"A mamãe só está cansada"

💜
terça-feira, 23 de fevereiro de 2016


Esse texto lindo da página Infância e Maternagem mostra três coisas muito legais de reforçar:
1) a importância da comunicação positiva,
2) que nem sempre vamos conseguir, e às vezes é difícil,
3) e que por isso aprendemos que precisamos julgar menos, e entender que podemos ser uma comunidade que se apoia! Que exala amor, carinho e compreensão!
Por que todos nós já estivemos lá, mesmo que de formas diferentes ou por motivos diferentes..
Não deixe de ler heart emoticon
Espero que amem!!
Grande beijo, com um carinho enorme!

Para o texto na página clique aqui!



"Finzinho da tarde, no ônibus, dois bancos à frente, uma menininha de cabelos cacheados sorri pra mim, muito meiga. Devia ter uns três anos de idade. Ao lado dela, sua mãe cochilava. Quando ela percebia que a mãe fechava os olhos, ela se levantava no banco.
Numa dessas, a mãe acordou. Deu um tapa na cabeça dela, falou num grito: "Fica quieta aí e senta!". Ela chorou um pouquinho, lágrimas escorreram. Meu coração apertou. Tive vontade de fazer algo, mas achei que era muita invasão da vida alheia e fiquei quieta. Dali a algum tempo, a mesma cena: a mãe dorme, a menina, entediada com o trânsito parado, aproveita pra levantar do banco um pouquinho, buscando as vozes de umas crianças que estavam na parte de trás do ônibus.
A mãe dessa vez a pegou pelos cabelos com força, deu um puxão que fez a menina cair pra trás, e, como se não bastasse, um "croque" na cabeça. Ao mesmo tempo, a voz dela saiu forte, com raiva. "FICA QUIETA AÍ, JÁ NÃO MANDEI!?".
A menina chorou forte. Enquanto chorava, as lágrimas escorriam e ela fazia um olhar muito, muito triste. Magoada, mesmo. Levantei na hora que a mãe falava "CALA A BOCA, SE VOCÊ NÃO PARAR DE CHORAR VAI APANHAR DE NOVO. QUE MENINA FEIA!". Quando eu vi já estava ao lado das duas. Abaixei e falei com a menina, que chorava muito. "Não chora não, tá? A mamãe só está cansada, ela quer dormir um pouco e descansar".
Olhei pra mãe, que pareceu envergonhada por eu estar interferindo, falou comigo com voz normal: "Ela fica levantando, tenho medo dela cair e se machucar". Respondi: "Eu sei, mas ela só estava olhando as crianças lá atrás.". Ela se dirigiu à menina, com a voz menos irritada. "Tá, agora pára de chorar, vai, já passou".
A menina soluçava, chorava alto. Eu falei com a mãe "Você tá cansada, né? Dá pra ver. Mas sabe, acho que ela só está meio cansada também, igual você". O olho da mãe encheu de água. "Acordei muito cedo hoje, trabalhei o dia inteiro, to morrendo de dor de cabeça, e agora ela não para quieta"... A menina berrava, lágrimas escorrendo... "Eu imagino.... Tem dias que é complicado mesmo... Mas eu acho que ela só está querendo a sua atenção", arrisquei. Pra minha surpresa, a mãe pegou a menina no colo e ofereceu o peito pra ela na mesma hora "Quer mamar, filha?".
Apesar do meu histórico de Mamífera, que amamentei até os 4 anos e pouco do meu filhote, me surpreendi pois não é comum ver crianças assim maiorzinhas mamando em público. A menina começou a mamar no peito e parou de chorar na hora.
Enquanto mamava fazia carinho no rosto e no cabelo da mãe que, claro, desabou chorando. Apertou os olhos, agora as lágrimas escorriam no rosto dela, que depois começou falar meio baixinho. "Desculpa, filha, desculpa a mamãe, filha, desculpa", ela falava, enquanto fazia carinho na cabeça da menina, bem no lugar onde ela tinha batido, e dava vários beijos na pequena, que mamava e olhava pra ela. Em uns 5 minutos a menina tinha dormido no peito, mas a mãe não parava de fazer carinho e beijá-la. Quase perdi meu ponto, na hora de levantar ainda olhei pras duas e a mãe me falou baixinho: "Obrigada...".
Nem precisa falar que eu comecei a chorar também, e to chorando até agora, né? Tem horas que só o que uma mãe cansada precisa é chorar um pouquinho também..."
Na imagem sou (Carol) eu e meu bebê Miguel, ainda recém nascido. Foto tirada por mim mesma depois de uma mamada na madrugada.
Esse lindo texto é da Aurea Gil Pac Mãe , e se você terminou de lê-lo com lágrimas nos olhos, significa que entendeu a mensagem, e mesmo sentido um pouco de ressentimento, sabe que juntas somos capazes de promover um bem maior ao coletivo materno!
Beijos, Carol Arruda."
Deixe Seu Comentário
Postar um comentário

Assinatura

Assinatura